Uma volta (ou, o tempo)

Pintou as paredes do quarto como se fosse ficar.

 

Deixou rastros,

pegadas,

digitais.

 

A pele ainda no leito,

suspiros no espelho,

cílios no sofá.

 

Do vazio,

farto de pedaços,

costurou lembranças de quem não mais é.

 

Restou pesar,

mar de ausências,

fantasmas perdidos em armários.

 

E nos lábios uma súplica,

nunca expelida.

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s